sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Pesadelo


Naquela lugar havia somente eu e você. Era bom,beirava ao perfeito. A gente ria,a gente lia,beijava,jogava,você até me irritava,mas não passava de saciar o seu desejo pela minha cara irritada.  Foi então que eu acordei. Havia um lugar,que era nosso,mas não estávamos sozinhos. Não era perfeito,a gente mal ria,você não gostava do que eu lia. Forçada,te beijava. A gente jogava,mas você roubava. Você me irritava,então ia deitar,adormecia e sonhava que te matava. Então eu acordei determinada,fiz do sonho realidade,você não mais existia e eu tinha liberdade.


Priscilla W.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

00:31


Já é sexta-feira e eu sinto aquele cansaço da semana toda,mas nenhum pingo de sono. Não me arrisco a deitar,porque sei que as invés de sono,o que virá serão aqueles pensamentos inúteis,lembranças que não se apagam e situações que nunca aconteceram. A noite é tipo um castigo causado pelas minha promessas não cumpridas. Devo ao banco,devo à Deus e São Longuinho,santo dos pulinhos. Lembrei que eu já me apaixonei por um maluco. De verdade. De verdade,o maluco. Sérias tendências psicopatas. Eu me apaixonei por isso. Imaginava a gente bolando planos infalíveis,que nem o Cebolinha,porém com uma resposta positiva. Imaginava também o sexo. Nós de mãos dadas pela cidade,xingando todo mundo mentalmente. Desisti de ir frente quando eu ouvi ele falar sobre o psiquiatra dele. Aquilo não era pra mim. Eu não  precisava de um gêmeo,eu precisava de um desafio.


Priscilla Way.